Tag Archives: impeachment

Comprender melhor a internet para aumentar o alcance da luta contra o impeachment

3 abr
 “É mais fácil entrar em Harvard do que no feed de notícias de alguém!” – Stefanie Grieser
PARA ENTENDER MELHOR COMO FUNCIONAM AS FERRAMENTAS DE REDE SOCIAL EM DIVULGAÇÃO DE PAUTAS
Filtro Bolha
    
    
Se você está assustado com o período político que o país vive e quer ajudar dentro da sua capacidade a melhorar o fluxo de discussão, peço-lhe meia hora de atenção para evitar o auto-isolamento através de filtros do próprio Facebook e outras redes sociais. Publicar melhor, driblar barreiras, atingir pessoas indecisas e usar outras ferramentas diversas
A dificuldade central aqui é furar barreiras comunicativas e demontrar como é problemático todo o processo de impeachment. Mesmo que esse acúmulo argumentativo e organizativo não barre o processo já em andamento, ele já acumula discussão para usar forças geradas anti-corrupção contra um eventual governo Temer.
Para além das redes já muito bem estabelecidas, como as Povo Sem Medo e a Frente Brasil Popular, há dezenas, talvez centenas, de milhares de pessoas com acesso a internet preocupadas com a democracia que buscam cotidianamente influenciar no debate público. Como boa parte dessas pessoas, talvez vocẽ que lê esse texto também, usa majoritariamente a grande rede social privada Facebook, é central parar uma meia hora para entender melhor o funcionamento dessa rede em particular.
Tudo o que você publica no Facebook ou que você pesquisa no google é filtrado a partir de grandes algoritmos, também chamados “filtros bolha”. Antes de mais nada, é bom politizar e problematizar o grande problema das bolhas que atuam no Facebook e Google.
Por favor, assistam, assistam, assistam, o curto filme de nove minutos que explica o problema. Por favor, assistam mesmo, esse breve vídeo vai mudar a forma como pensam a parte digital de sua militância pela democracia: http://www.ted.com/talks/eli_pariser_beware_online_filter_bubbles?language=pt-br
Sentiu o tamanho do drama? Pois bem, tanto o Nexo como o Estadão já deram matérias falando o como esse tipo de filtro acaba por polarizar a discussão, e que talvez este seja o momento mais polarizado de discussão da história recente do país.
As tais hashtags
Hastags, # (cerquilha ou jogo da velha), são aglutinadores de conteúdo, colocar um hashtag em um post ou comentário aumenta a probabilidade de que alguém que for procurar conteúdo semelhante se depare com seu post ou comentário.
Para achar boas hashtags, basta ir no http://hashtagify.me/ (ou outro parecido) e digitar alguma hashtag  no campo de buscas. O site mostrará as mais influentes e a partir daí selecionar uma das mais poderosas parecida com o conteúdo que quer postar.
Se quiser que pessoas a favor do impeachment vejam seus links, você pode usar uma hashtag outra, como as que estão em http://hashtagify.me/hashtag/foradilma, por exemplo a #impeachment, para tentar furar cercas algoritimicas.
Pesquisas indicam que muitas hashtags diminuem ao invés de aumentar a visibilidade de um post, sendo dois o melhor número de hashtags (a partir de três já cai o acesso). Para maiores informações leia https://www.postplanner.com/how-to-use-hashtags-on-facebook/
Se for usar o Facebook, leia alguns links que vão lhe ajudar a pensar como essa REDE FUNCIONA:    
“it’s easier to get into Harvard than into someone’s Facebook news feed!” Stefanie Grieser. Em tradução livre: “É mais fácil entrar em Harvard (Universidade de prestígio) do que no feed de notícias de alguém”! 
Parte das análises são para veículos comerciais e não pessoas físicas, mas ajudam na reflexão.
Excluindo amigos, colegas de trabalho e conhecidos do Facebook, do Twitter e do Whatsapp – Ufa! enfim me livrei destes reacionários!
Nãaaaao!!! Excluir as pessoas de quem discorda do Facebook só amplia a polarização e diminui nossa capacidade de diálogo. O mesmo vale para listas de mensagens via Whatsapp ou Telegram. Neste caso e momento, o melhor seria pedir leitura de textos intermediários, que problematizam o processo de impeachment, a corrupção na câmara, que dissociam a Lava Jato do processo de impeachment e que coloquem o que se passa no Brasil dentro de um panorama mais amplo. Em muitas vezes será preciso respirar fundo, mas com certeza apenas excluir só piora a situação.
Resumindo, a forma de operar dessas redes causa um isolamento das posições políticas, para convencer outros e ser efetivo na disputa de visões é preciso furar bolhas, e para isso a forma das publicações é importante. Há sempre o perigo da postagem recorrente e a exclusão de pessoas que pensam diferente da sua timeline acabar por diminuir sua capacidade de intervenção ao invés de aumentá-la. Em muitos momentos será necessário respirar fundo de três a dez vezes numa troca de comentários. Se isolar para fornecer e receber posts de quem já concorda com você é a pior estratégia politicamente, embora seja a mais confortadora psicologicamente.
Aplicativos de mensagem direta individuais e em grupos não possuem filtro bolha, pois são diretos de ponto a ponto, aí, ao invés de sair de grupos de família e amigos de trabalho, o mais eficiente seria paulatinamente ir colocando como contraponto lá links de meios de comunicação que conhecem, mas links específicos que auxiliam o sentido geral das linhas maiores de discussão pró democracia (coloco uma seleção de links que testei no Facebook com pessoas pró impeachment e que auxiliaram a recriar diálogo onde antes não mais havia).
Quanto maior sua virulência retórica -embora psicologicamente seja balsâmico – menor sua capacidade de diálogo com os que de fato possuem a possibilidade de mudar de percepção em relação aos processos em andamento. Sim, isso significa começar com analistas e análises mais distanciados da esquerda, muitos da própria grande mídia, reconhecida em geral como fonte válida de notícias e argumentações por estas pessoas, e progressivamente aprofundar análises outras. Análises internacionais também podem ajudar
Em geral as pessoas tem se referido genericamente com os que se manifestam pelo impeachment como “direita” e “golpistas”, acredito que é importante fazer distinções nessa grande massa e ver quem de fato não tem nenhum apreço pela democracia e defende um golpe ou a volta da ditadura (ampla minoria, segundo as pesquisas empíricas com manifestantes). Ver aqueles que trazem em si o fascismo e agridem fisicamente pessoas vestidas de vermelho, que me parecem também ser minorias, perigosas, mas minorias  E também ver o conjunto de pessoas que acreditam sinceramente na democracia, mas que avaliam que o governo Dilma e Lula são os mais corruptos da história do país e que por isso o governo deve ser deposto. Não é uma posição absurda para os que assistem cotidianamente há mais de dez anos, todos os dias o dia todo, desde o mensalão, a grande mídia focar seletivamente em algumas personagens do governo e petistas como se estes fossem os inventores e amplificadores da corrupção. 
Engarrancham-se aí uma série de tarefas diferentes:
  • mostrar a parcialidade da grande mídia,
  • a importância da democracia,
  • a separação da Lava Jato do processo do Impeachment (e no fato como este será usado como moeda de troca justamente para barrar a lava Jato),
  • o fato de que os mecanismos institucionais de combate à corrupção fortaleceram-se durante esses governos e que isso significa uma exposição maior de casos de corrupção e logo uma percepção maior de corrupção
  • mostrar quem são os deputados na comissão do impeachment e como o atual presidente da Câmara, Eduardo Cunha, não tem intenção de fazer qualquer coisa contra a corrupção e não tem condições éticas de presidir um impeachment,
  • mostrar que o esboço de projeto de governo apresentado por Temer e Serra é contrário ao projeto eleito nas urnas, o que significa golpe contra o desejo das urnas.  
Há vários materiais que podem trazer de volta colegas, amigos e familiares para uma posição no mínimo contra o golpe, mas para isso é necessário paciência e muito, mas muito, trabalho argumentativo.
Talvez seja o momento de voltar naquele grupo de Whatsapp da família e paulatinamente colocar posts mais gerais e argumentativos (do tipo, “-O que vocês acham disso?”). Ver qual o centro da argumentação da pessoa, pessoas ou grupo, se é corrupção, PT, democracia, legalidade e contra argumentar paulatinamente através de links o mais didáticos possíveis e depois aumentar a complexidade analítica aos poucos.
Outra coisa, as vezes, menos é mais,. Ter trinta curtidas em um post, todas de pessoas que já corncordam com sua posição, as vezes é menos importante do que ter dez curtidas de pessoas que estavam com posições menos atuante, indiferentes ao momento político ou favoráveis à saída da Dilma. Estamos muito acostumados a pensar quantitativamente e ter uma satisfação baseada em quantidade. Com os filtros bolha isso não necessariamente significa conseguir furar a bolha. Pensar qualitativamente as curtidas e principalmente os compartilhamentos é central para conseguir fazer a autocrítica do alcance que se está obtendo e modificar forma de escrever e de divulgar.
Onde guardar conteúdo (ou, não deixe tudo no Facebook):
Nunca publique uma coisa exclusivamente no Facebook, devido à dinâmica efêmera desta ferramenta de rede social, posteriormente é muito difícil recuperar de forma fácil posts, conteúdos diversos e links de outros lá colocados. Isso para não mencionar a hipótese por ora remota do próprio Facebook começar a censurar diretamente posts de conteúdo contrário aos poderosos seja por ordem da justiça seja por acordos comerciais. Há diversas outras formas de conservar conteúdo, deixamos aqui só duas sugestões:
Primeira, crie um blog, mesmo que não vá publicizar esse link. Uma sugestão razoável e simples, para quem não é muito da tecnologia, é o WordPress (www.wordpress.com)
Segunda, crie um PAD, um espaço para textos que permite que várias pessoas escrevam e editem textos simultaneamente. Alguns PADs que funcionam bem são: https://pad.okfn.org/ (Open Kwnoledge Foundation), e o Etherpad Open Sourced! (http://piratepad.nl/).
Tarefas no momento:
 A tarefa central em geral é paulatinamente utilizar a massificação de emissores de opinião permitida por redes distribuídas, como a internet, para fazer uma disputa de longo prazo de valores e leitura política com a grande mídia. Grande parte da disputa de opinião hoje é feita via internet, o único canal no qual a maioria dos que possuem acesso é também emissor. É o principal canal de comunicação no qual o indivíduo e os pequenos grupos são capazes de ampliar o alcance político de suas opiniões e posições, e dentro desta tem uma preocupante posição central a ferramenta de rede social privada, o Facebook. Compreender as dinâmicas dessas redes distribuídas e das ferramentas de rede social como o próprio Facebook e o Twitter me parece fundamental para ampliar a potência política dessas centenas de milhares de militantes indignados com o golpe que sofre a democracia.
Os argumentos centrais da posição contra o impeachment já foram listados de diferentes formas  por diferentes atores e em diferentes espaços. A questão aqui é amplificá-los. Elegemos alguns:
  • O impeachment não é justificável e significa verdadeiro golpe contra a jovem democracia brasileira. (e aqui entram os links dos juristas)
  • Mesmo se fosse justificável, essa presidência da Câmara e essa comissão eleita não tem distanciamento do caso central que usaram para gerar a percepção geral sobre corrupção neste governo -a Lava Jato- para ter uma atuação ética e republicana. 
  • Auxiliar esse impeachment significa antes, dado os que querem tirar esse governo, auxiliar a corrupção a se manter e não o contrário como a Globo e demais mídias pregam.
  • A apresentação de um projeto político para o governo, o executivo, que não foi eleito em urnas é a própria definição de golpe, e é justamente isso que Serra e Temer propuseram, sem antes apresentar o projeto à aprovação da população pela via do voto.
É um momento oportuno para aproveitar essa indignação criada seletivamente contra um partido e governo e transformar em indignação contra uma forma de funcionamento da relação dinheiropolítica. Mostrar com dados empíricos e análises diversas que não há democracia com financiamento privado de campanha e que não há democracia sem expansão dos emissores de opinião na televisão e rádio. A primeira pauta é mais fácil de emplacar no momento.
A disputa é de médio e longo prazo na formação de valores e leituras de mundo. A grande mídia tem claramente optado pela desconstrução da política e em criar uma visão econômica liberal tendo por fundo o argumento que o mercado é a melhor forma de distribuição de recursos. Daí os governos que não compartilham dessa visão seriam corruptos (como fizeram com Nestor e Cristina Kichner), ineptos (como tentam fazer com Morales e Corrêa) ou verdadeiras ditaduras (como caracterizaram o governo Chávez contra todos os dados empíricos e votações observadas por órgãos internacionais). Parte central de nossos esforços imediatos e futuros é discutir essa concentração de mídia, mecanismos de democratização da mídia e outras e melhores visões de mundo possíveis, mais igualitárias e generosas. 
Em relação aos deputados em disputa no voto do impeachment:
As motivações tradicionais com as quais se avaliam as movimentações de deputados de partidos fisiológicos e sem grande coerência programática, como o PMDB, são duas: grana e poder.
Na questão do dinheiro, grana, na posição que ocupamos é muito difícil até imaginar que tipo de benefícios em dinheiro estão sendo ofertados aos deputados em disputa, dado que grande parte das grandes empresas e organizações de empresas do Brasil se pronunciaram a favor do impeachment e, sendo o Brasil um dos países mais ricos do mundo, a quantidade de dinheiro capaz de ser mobilizada por estes atores é quase incalculável. Neste quesito temos pouca ou nenhuma capacidade de intervenção
Já na questão do poder, tanto o Governo na distribuição de cargos na máquina federal, quanto à oposição na distribuição de cargos do eventual governo Temer estão em plena movimentação. Temos neste quesito também pouca ou nenhuma ingerência. O máximo que podemos fazer aqui é afirmar que puniremos golpistas nas urnas, colocando seus nomes nos postes e realizando toda a discussão da forma mais pública possível sobre o que fizeram. Que estes não se reelegerão etc etc etc, essa é uma tática que no atual momento da opinião pública (sempre mutável, lembramos) se assemelha a um blefe. Quanto mais repercussão a discussão de que o impeachment é golpe receber, mais plausível se torna. (imaginem , por exemplo, o Lula falar para deputados do nordeste que fará campanhas contra as deles nos estados do nordeste se estes votarem no impeachment, dado o perfil do voto no Nordeste, a ameaça de não conseguir se reeleger ganha algum fôlego, mas, de novo, isto não está em nossas mãos)
Acredito que apenas grana e poder não explique totalmente o comportamento, discurso e voto dos deputados. Existem sim crenças políticas e também existe sim, e muita, vaidade. Deixar claro em que página da história um voto como esse os colocaria, e o que será ensinado para seus filhos e netos sobre eles na escola pode ter apelo a essa vaidade gigantesca. A Globo não escreveu a visão prevalente sobre o que foi a ditadura. Parece haver uma certa chantagem da parte mais partidarizada do Judiciário e grande mídia com algum controle sobre a Lava Jato no seguinte sentido: a chantagem, seria “-Ou votem pelo impeachment ou o faremos ser investigado e punido e colocaremos seu rosto nos jornais, revistas e noticiários de TV como corrupto (no fundo é usar a justiça pela política justamente contra….a justiça!)”. Passaram os últimos 10 anos tentando associar Lula com corrupção e ainda assim boa parte da população não comprou o discurso. Esse discurso inflamou incrivelmente setores das classes médias que em geral já eram contra o PT e de fato conquistou adeptos e ampliou essa visão.  Mas o povo não é bobo, e em geral sabe o quanto a Globo mente e é aliada do PSDB. Neste caso, amplificar a resposta social ao impeachment e reafimar aos políticos que assim como a Globo não controlou o discurso social sobre a ditadura, não controlará o discurso sobre este golpe e que votar a favor dele é a certeza de associar seu nome a um dos momentos menos democráticos e mais obscuros da história política nacional.
Por fim, coloco alguns links que testei e funcionaram ao menos parcialmente na criação de diálogos. Eu mesmo não sou lá um grande entusiasta do Facebook e publico lá esporadicamente -ultimamente com maior frequência – mas sem particular zelo na forma de cada publicação. Não é esta rede o centro de meu debate, mas compreendo e respeito àqueles que a usam intensivamente e para os quais parte das considerações deste post foi pensada. Não sou especialista nos tópicos listados acima, apenas alguém bastante preocupado com as consequências políticas e perda de capacidade de discussão que tem ocorrido. Caso você possua conhecimento especializado sobre algum dos tópicos acima e quiser ajudar, não hesite em me escrever que melhoro o texto. Compartilhar conhecimento é parte central da construção da democracia e de um mundo melhor
Alguns links úteis
 Como a conjuntura em movendo-se de forma muito rápida, parte dos links listados podem estar defasados. Sintam-se a vontade para criar seus próprios PADs ou para sugerir outros links nos comentários.
Geral
Análises maiores e internacionais, sobre a judicialização da política no mundo e o papel da direita nisso.
 Um análise de mais fôlego, feita pelo sociólogo português Boaventura de Sousa Santos:
Por quê esse impeachment, da forma como está sendo feito, é golpe?
Por quê da reforma política
Manifesto de juristas consagrados, e já com mais de 7.800 assinaturas, contra o impeachment:
A cobertura internacional sobre o caso:
Análise de Glenn Greenwald, prẽmio Pulitzer de jornalismo, sobre o golpe em andamento no Brasil:
Seletividade da justiça
 16 pontos para pensar mais sobre a seletividade da justiça brasileira, de TV Poeira:
O caso Banestado, de 2,4 bilhões de reais e a anulação da punição dos réus:
O Documentário sobre Furnas:
Impeachment -Quem são os parlamentares que vão julgar Dilma?
 A inacreditável ficha corrida do impeachment. Absolutamente inacreditável:
Qual o projeto que o golpe vem construir?
O problema da alternativa Temer:
 Análise de Ivan Valente sobre a alternativa de empossar Michel Temer no lugar de Dilma:
Cunha reclama de Temer ter levado 5 milhões o que atrasaria a propina de outros envolvidos:
O que o programa proposto pelo PMDB em conjunto com o PSDB, “Uma ponte para o futuro” significa:
O que acontece em caso de impeachment?
A emenda pode sair pior ainda, com Cunha sendo esporadicamente ou durante longos períodos presidente do Brasil. Eis um vídeo bom e didático sobre a questão:
 Corrupção 
Há movimentos mais sérios e que trabalham faz algum tempo a questão, ligado à CNBB, o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral é um deles:http://www.mcce.org.br/
Não, o PT não inventou a corrupção, e não há dados empíricos que ela tenha aumentado durante os governos Lula e Dilma, na verdade a melhor hipótese é que o aparelhamento da Polícia Federal, a autonomia e o não amordaçamento da Procuradoria Geral da República – como aconteceu durante a gestão FHC (http://jornalggn.com.br/noticia/relembrando-a-atuacao-do-procurador-geral-geraldo-brindeiro) quando Geraldo Brindeiro arquivou todos os grandes escândalos – geraram uma sensação de maior corrupção, pois os casos passaram a ser investigados e expostos. A legislação anticorrupção avançou também, com leis que punem não apenas os corruptos, mas também os corruptores, como a Lei Anticorrupção de 2013 (http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12846.htm) e a modificação no mecanismo de delação premiada. O orçamento da Polícia Federal praticamente triplicou no governo Lula e Dilma, aumentando de 1,5 bilhões em 2002 para 4,3 bilhões em 2013. Ainda assim, o UO usando somente o investimento conseguiu computar isso como redução! (http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/veja-o-orcamento-da-policia-federal/)
Por exemplo, a caso Odebrecht, tão em voga no momento, funcionava desde o governo Sarney: http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2016/03/26/esquema-de-propina-da-odebrecht-funcionava-desde-governo-sarney.htm
Em tempo: nem Lula nem Dilma aparecem na lista de mais de 300 políticos que teriam recebido dinheiro de forma legal e ilegal da Odebrecht.
Um dos Bispos da CNBB -Confederação Nacional dos Bispos do Brasil, realizou uma fala que aborda diversos pontos, desde seletividade da mídia até corrupção:
 Caso SABESB e Trensalão.
Calendário do impeachment
 Calendário provável
É bom ir pensando ações ao longo desse período.
Sérgio Moro
A direita também faz guerra de informação e busca explicar ponto por ponto cada exemplo nosso. Aqui está um exemplo: http://spotniks.com/7-mentiras-que-voce-provavelmente-ja-ouviu-sobre-o-juiz-sergio-moro/
Até o UOL começa a fazer matérias questionando Moro.
Eduardo Cunha
 O presidente da Câmara no processo de impeachment é investigado pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro STF. Metiu na CPI da Petobrás ao afirmar que não possuia contas na Suiça. Curiosamente sumiu das manchetes da Rede Globo de Televisão. A sua ficha corrida é simplesmente impressionante:
Grande Mídia
Muito Além do cidadão Kane. Um pouco da história da Globo:
    
Como funciona o oligopólio da mídia no Brasil, 11 famílias comandam 80% dos meios de comunicação.  O vídeo “Levante sua Voz” é central para quem quiser enviar uma breve explicação sobre a forma de operar da mídia brasileira:
Capacidade gigantesca de sumir com investigações da pauta pública quando interessa, como é o caso da Operação Zelotes:
Os 242 casos engavetados por Brindeiro durante a gestão FHC e a própria afimração de FHC a respeito da compra de votos na reeleição. Como a grande mídia teria noticiado se fosse o PT? http://www.vermelho.org.br/noticia/251814-1
    
Como somem a análise das 8667 brasileiros que tem conta na Suiça, em grande parte não declaradas à receita? No maior caso de sonegação já apurado?
Funcionamento atual da internet e redes em geral 
 Cada vez mais posições à direita e um longo conservadorismo se imiscuem e ganham força na internet. Compreender o fenômeno é chave para a disputa de valores de longo prazo:
Para uma análise boa do ascenso da luta contra o golpe e pela democracia nas redes, sugiro a leitura da análise do excelente pesquisador da UFES Fábio Malini:
Uma análise do dia 13 de março, o das grandes manifestações da direita, mostra que as redes tem mais cores do quer fazer crer a grande mídia:
   
Dados sociais do Brasil de 2003 para cá:
É sempre bom lembrar quais os avanços, mesmo que insuficientes, aconteceram de 2003 para cá:
As ligações internacionais:
Para quem acha no mínimo curioso uma só operação atacar o projeto de submarino nuclear, as grandes construtoras, a principal empresa de petróleo que realizou a maior descoberta de reservas do século XXI, e o partido político que buscou assegurar exploração exclusivamente nacional sobre as mesmas… Pode parecer teoria da conspiração, mas quanto mais se lê, mais parece fazer sentido:
Curiosamente não só Brasil, mas outros países sofrearam ataques semelhantes:
A nova guerra híbrida:
Quem são os irmãos Koch e o quem tem feito em diversos países
Guilherme Flynn Paciornik,  3 de abril de 2016